Revista TPM | Mario & Diana – Psicanálise na vida cotidiana
Revista TPM
Exibir por:

Não mais que de repente

Sobre amadurecimento

De repente, sem querer, eu me disse: agora é pra valer. Estava me referindo à vida, à vida adulta, aquela para a qual tenho passado os últimos 47 anos me preparando. Mesmo com duas filhas, um livro escrito e uma árvore plantada (não me lembro bem, devo ter plantado alguma…), parecia que nem tinha começado ainda. Sempre pensei que chegaria o dia em que deixaria de sentir-me intimidada frente àqueles que admiro, em que me consideraria uma mãe suficientemente boa e uma mulher de verdade, em que saberia administrar o dinheiro que ganho como se fosse meu. Isso ainda não aconteceu, mas sim outra coisa: comecei a olhar para o taxímetro e ver o quanto de vida já gastei.

Continue lendo…

01/09/08 |
(0)

Cinderelas, com uma pequena ajuda das amigas

Sobre o livro de André Gorz

Como Carrie, Charlotte, Miranda e Samantha, Cinderela também sonhava com um príncipe e achava que seu valor dependia da suntuosidade das suas roupas. Através das suas aparições e fugas do baile, das pistas que deixava como rastro a cada noite, a princesa saída das cinzas ensinou sucessivas gerações de meninas a fazer o jogo da sedução. Sex and the City, o filme, é uma comédia romântica que parece ser mais uma versão da história clássica da Cinderela, embora de borralho as moças de Nova York entendam pouco. Nesses filmes a tarefa central das personagens é encontrar um príncipe encantado, mas nesse há um toque a mais: é a amizade, o amor fraterno, que sai consagrado no fim. 

Continue lendo…

01/08/08 |
(0)

Carta a M. sobre Carta a D.

Sobre o livro de André Gorz

 Mário, acabei de ler o livro que teu amigo te deu de aniversário: Carta a D.: História de um Amor. O livro é uma carta aberta, um manifesto de amor duradouro, mas também o balanço final da relação de 58 anos de André Gorz com Dorine Keir. O escritor André era um judeu austríaco que viveu o intenso século XX, navegou pelas águas do existencialismo, do marxismo, foi uma das figuras inspiradoras das idéias de maio de 68, precursor do pensamento ecológico. Dorine era uma inglesa, que iniciava uma carreira teatral quando se conheceram, mas que dedicou a vida à parceria com o companheiro.

Continue lendo…

01/07/08 |
(3)

Diz que me ama, olha pra mim!

Sobre a capacidade de ficar só

Maldito dia dos namorados: todo ano a choradeira é igual. Os solteiros se lamentam, por motivos óbvios, os comprometidos também se queixam do pouco amor recebido, e até os mal acompanhados descobrem por que ainda não se separaram. O mundo parece gritar que o amor é tudo. Provavelmente, esse coro de insatisfeitos (ao qual pertencemos, sim, sempre ou de vez em quando) está pedindo do amor o que ele não tem para dar. O amor anima, mas não completa. Esqueça daquele papo de meia laranja ou alma gêmea. Para sermos menos lamurientos, precisamos ter a capacidade de estar sós.

Continue lendo…

01/06/08 |
(1)

Uma autobiografia fora do armário

Sobre homossexualismo e a autobiografia de Alison Bechdel

 Alison Bechdel escreve com imagens. Em 2006, lançou “Fun Home”, sua autobiografia em quadrinhos, ganhadora do “Eisner Award”e publicada no Brasil pela Conrad. Não perca.

Continue lendo…

01/03/08 |
(0)

Juno

Sobre a maternidade adolescente e infertilidade

Dos rivais que a libertação feminina tem enfrentado, os mais indomáveis parecem ser os ritmos biológicos. Ficamos prontas para engravidar, com a fertilidade a ponto de bala, o corpo viçoso e flexível, quando a cabeça ainda tem muitíssimas outras coisas com o que se ocupar. Depois, quando certas escolhas já foram feitas, e algumas garantias nos tranqüilizam, aí já estamos fisicamente mais frágeis para conceber e parir. Se então quisermos ser mães, necessitaremos repouso e assistência médica.

Continue lendo…

01/02/08 |
(0)

Soutien invisível

Sobre plásticas e imperfeições femininas

Qual não foi minha surpresa quando, ao entrar no banheiro feminino, de uma festa infantil, encontrei três mulheres exibindo animadamente seus seios umas para as outras. Mais surpresa ainda fiquei quando fui convidada a apreciar as mamas de mulheres que conhecia, mas não tão intimamente assim. Nada contra, fruto do rescaldo hippie da década de 70, acabei sendo meio naturista.

Continue lendo…

01/01/08 |
(0)

De tudo resta um pouco

Sobre o livro Louca por homem de Claudia Tajes

Amar é despersonalizar-se. Aos nossos ouvidos isso mais parece palavrão. Deveria ser assim: a gente escolhe, na hora em que bem entende, alguém que case com nosso modo de ser e estar; e uma vez encontrado aquele que se molda ao nosso desejo, ficaremos com ele tanto quanto nos convier. Além disso, a separação não deveria nos destruir, depois de cada fim poderíamos voltar sem maiores traumas para o ponto de partida, abastecendo-nos de nossos ricos recursos pessoais. Quanta idealização há nessa pretensiosa fantasia contemporânea!

Continue lendo…

01/12/07 |
(0)

Meio século de Barbie

Sobre a repesentação dessa boneca para as mulheres

Passei parte da minha infância brincando na casa da vizinha. Era uma mulher bonita, parecia saída de um filme americano e não faria feio num bairro de casinhas brancas da Califórnia. Esposa de piloto, tinha acesso a todos os objetos que o boom de consumo pós-guerra tornou subitamente essenciais. Ela levava no mínimo uma hora para emergir do seu banheiro, deixando espalhado um rastro de cosméticos de cheiro bom. Grandes olhos azuis, sempre com delineador, pancake passado com esmero de fotoshop, boca duas cores, mais escura por fora e clara por dentro. Suas duas filhas eram minhas parceiras na faina das bonecas. Foi ali que conheci a Barbie.

Continue lendo…

01/11/07 |
(0)

Com quantos paus se faz um homem?

Sobre a construção da imagem masculina pelas mulheres

Alta e jovem, a mãe caminhava de mãos dadas com seu filho, um daqueles pós-bebês que já têm um ar másculo, menos de metro de altura, presumíveis três anos, mochilinha nas costas. Ajeitei o passo para ouvir a conversa.

Continue lendo…

01/10/07 |
(0)