Farofa

Farofa, um amor duradouro que vem da infância

Tenho amigos apiedados de uma confraria que se esforçam em melhorar meu paladar. Querem me resgatar da simplicidade culinária. Sabem que meu cérebro pode fazer algumas ligações menos óbvias, dizer algo engraçado, coerente, ou mesmo original, mas meu estômago é unidimensional e primitivo. Cevado a prato feito da Borges e a bandejão do RU.

Por instinto gosto de comida de restaurante de estrada, de boteco. Gosto de galinha com farofa, de carreteiro, de feijoada, de dobradinha com vinho de garrafão, polenta com molho vermelho, costela gorda com salada de batata. Claro, com variações gourmet. Por exemplo, o melhor carreteiro é o feito com as sobras do churrasco, desde que tenha sobrado também linguiça, esse é o segredo.

Com meus amigos provei quitutes requintadíssimos com nomes improváveis. Adorei, repetiria outra vez, especialmente a companhia, mas nem ao menos lembro exatamente o que era e muito menos como eles o chamavam. Um dos últimos pratos dessa empreitada civilizatória fraterna levou dias de esmerada preparação e me deixou recordações fugazes. Era uma papa-fina francesa que eu comeria outra vez, lambendo os beiços, mas, e essa é a questão: com o mesmo entusiasmo com que enfiaria os dentes numa galinha de televisão de cachorro bem tostadinha. Eu sou daqueles que pode ser feliz comendo em pé um x-tudo de trailer sem esboçar qualquer medo da maionese.

Não levo jeito para chique, meu negócio é farofa. E, é claro, farofa pede acompanhamento. A feijoada, por exemplo, não é exatamente um prato. Na minha particular filosofia culinária ela é a melhor maneira de comer farofa. O feijão tem que ser maravilhoso para sublinhar meu astro principal: a farofa.

Considero a farofa a contribuição culinária do Brasil ao mundo. Ela deveria ser tombada como patrimônio da humanidade. Imagino os estrangeiros como aqueles coitados que não conhecem suas benesses. A única outra profissão que considerei foi de faroffalier, o sommelier das farofas. Mas ao mesmo tempo uma preocupação: imagine se o mundo descobrisse essa preciosidade, a que preço ela chegaria? Como seria um mercado negro da farinha de mandioca?

Estou preso a um um gosto infantil e interiorano, acorrentado afetivamente ao fogão à lenha das minha avós. Em tantas coisa rompi com o passado, mas na mesa sigo sendo uma criança. Resta assumir o cardápio infantil e jeca, invejando os amigos que ultrapassaram meu horizonte de sanduiche de mortadela com margarina. Devem enxergar mais longe, perceber sutilezas do mundo que me escapam.

Para você que é como eu: não adianta insistir, desista. Estômago que nasceu para farofa nunca chegará a apreciar um bom frufru de pripripri. Nem ao menos distinguir um bom quiqui de bonjour de um bonsoir de creuset.

27/07/15 |
(3)
3 Comentários
  1. Eunice Spindler permalink

    Maravilhoso. A falta de preconceitos na gastronomia é uma virtude rara. Parabéns, Mario Corso.

  2. fabiane angelita steinmetz permalink

    adorei o texto! lembrei-me de um dia em que ofereci uma janta em minha casa e como é rotina fiz arroz caipira,aquele que algumas pessoas utilizam somente para galinhada ou carreteiro. Eu utilizo essa “especiaria” diariamente e uma amiga comenta: “mas até no arroz é chucra essa guria. Lembro-me da infância,de quando meus pais plantavam tudo que a gente consumia e o arroz era levado ao moinho e assim conservo aquele gosto maravilhoso de “arroz da minha infância”.

Comente este Post

Nota: Seu e-mail não será publicado.

Siga os comentários via RSS.